The Dreamers

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não sei quanto a vocês, mas eu realmente acredito em sintonia, sincronicidade e afins. Parafraseando o filme Cidade dos Anjos, algumas coisas são verdadeiras, acredite nelas ou não. Sempre me liguei muito aos sonhos. Eles sempre me disseram muitas coisas. Sobre mim, sobre os outros, sobre a vida e sobre a morte. Ultimamente, eles tem dito muita coisa sobre ELE.

1.

Era um sábado. Havíamos dormido juntos. Quando estávamos de casa, olhei para o céu e lembrei do sonho que tive aquela noite. Fogos de artifício. Contei para ele. “Estávamos em uma varanda, e os fogos estavam bem distantes?” – foi o que ele perguntou. Eu respondi com um sorriso. Nem precisei dizer que sim, estávamos em uma varanda e os fogos estavam bem distantes. Tivemos o mesmo sonho. Como diria Raulzito, sonho que se sonha junto é realidade.

2.

Outro dia, eu estava em casa, sozinha. Deitada na cama, quando começamos a trocar mensagens por celular. Acabei dormindo. Sonhei que ele me mandava uma mensagem de boa noite. Quando acordei, não é que eu tinha recebido uma mensagem igualzinha àquela com que eu havia sonhado?!

3.

Havia um tempo que ele estava procurando o livro O Senhor dos Anéis. Quando ele encontrou, veio me falar. “Parecia que a gaveta me chamava” – foi o que ele disse. Perguntei se o livro estava na gaveta do armário, no quarto dele. E realmente estava. “Agora que percebi que eu não tinha te falado em que lugar eu encontrei” – ele respondeu. Não me pergunte como ou por quê, mas de alguma maneira eu sabia que ele havia encontrado ali.

4.

Geralmente trocamos mensagens por celular durante a noite/madrugada. Só que eu fçao faculdade de manhã. Então muitas vezes acabo pegando no sono. Uma coisa curiosa tem acontecido: percebo que estou sonhando e lembro que estávamos trocando mensagens e que provavelmente eu não respondi a última que ele enviou, aí, ainda no sonho, falo para mim mesma que preciso acordar para ler/responder; e incrivelmente eu realmente acordo.

Então não venham de dizer que sonhos são apenas sonhos. ‘Cause you may say I’m a dreamer, but I’m not the only one.

Anúncios
The Dreamers

Stairway to heaven

“Faze o que tu queres será o todo da Lei”. “Amor é a lei, amor sob vontade”. Esses são os dois preceitos fundamentais da Lei de Thelema. Não sei dizer ao certo se Thelema é uma religião ou uma filosofia… Fiquei sabendo da existência do Aleister Crowley devido ao queridíssimo Raul Seixas, meu parceiro desde a infância. Praticamente nasci ouvindo Raul, por conta do meu pai. Mas jamais imaginei que ele foi quem apresentou ao mundo a Thelema. Aliás, nem sabia o que era isso… Não que eu saiba muito hoje, mas enfim.

Luz, Vida, Amor e Liberdade são os seus princípior básicos. Quando eles dizem que o ser humano, por possuir livre árbitrio, é inteiramente responsável por sua existência e por suas ações, sem nenhum Deus ou Diabo interferindo no destino da sua própria vida, lembro do existencialismo de Sartre e companhia.

Acho lindo quando a Thelema diz que a liberdade de todo homem e toda mulher é cultuada. “Todo homem e toda mulher é uma estrela”: um profundo respeito a si próprio, assim como a cada um dos indivíduos e a cada forma de vida existente.

Para eles, “a extensão do Universo é sem limites, e vós sois livres de tomar prazer como quiserdes, já que a variedade de existência é, igualmente, infinita”. Vem falar isso para mim? Logo eu que sempre quis todas as possibilidades possíveis? Se a extensão do universo é sem limites, será que essa extensão cabe dentro de mim?

“Não há duas estrelas iguais, e vos deveis compreender que esta multiplicidade é, ela mesma, Unidade, e que sem ela a Unidade seria impossível”. Ou seja, as partes como um todo. Só podendo existir o todo porque existem as partes. E vice-versa.

“A não ser que sejais livre para agir, não podeis agir”. Forte, não? Se você não for livre, não agirá por conta própria, ou seja, não estará agindo. Como ser livre para agir? Fazendo o que tu queres e arcando com toda e qualquer responsabilidade. Caso contrário, não é propriamente uma ação…

“Tu não tens direito senão a fazer a tua Vontade. Faze aquilo e nenhum dirá não”. Calma. Essa vontade com v maiúsculo não é qualquer vontade. Se não qualquer psicopata sairia matando por aí dizendo estar seguindo um preceito da Thelema. Essa “Vontade” é o propósito que cada um possui, algo praticamente transcendental. E aí eu penso, mesmo não transcendentalmente: qual é a MINHA vontade? Existe apenas UMA vontade para ser concretizada? Creio que não… Ou talvez todas as vontades que temos são uma única Vontade meio fragmentada, como se as pequenas fossem o que levassem à grande. Um caminho de vontades para a Vontade.

Aí você para e pensa: porra, o que eu estou fazendo com a minha vida? Se alguém souber a resposta, me avise, ok? É, Crowley, acho que eu ando pensando demais… Ou seria SENTINDO demais?!

Stairway to heaven

O amargo da língua

“Dizem que eu sou boa em ler as pessoas, mas quando se está emocionalmente envolvido com alguém, é muito fácil confundir o que você vê, com o que você quer ver, com o que você tem medo de ver, e assim por diante. Então, antes de sair por aí distribuindo julgamentos, correndo o risco de por tudo a perder, simplesmente por me considerar a dona da verdade, achei melhor te mandar esse e-mail. Agora vamos aos meus ‘achismos’:

Me parece que estamos numa montanha russa… Sobe, desce… Sobe, desce… Mas por um tempo isso não parecia ser um problema… Aliás, tivemos problemas bem verdadeiros (como seu sumiço, a retaliação da sua mãe, minha briga com a Dani), mas estas coisas mais nos ajudaram que nos atrapalharam, nos uniram mais, nos tornaram mais fortes, nos fizeram evoluir…

Claro que agora, olhando para trás, eu vejo que sempre houve algo muito forte entre eu e você, mas muito bem escondido, mas conscientemente, antes você era uma colega, se tornou uma amiga, então eu me apaixonei perdidamente, e agora eu te amo… Foram mudanças… E em cada mudança houve ganhos e perdas… E aí, finalmente largando de enrolação, chegamos ao meu ponto.

Me parece que você não está satisfeita com essas mudanças, não consegue se adequar, ou então não queria que elas tivessem ocorrido… Desde quarta eu sinto você se afastando de mim lentamente… E honestamente eu não sei o que fazer… Você parece fisicamente distante, emocionalmente distante, mentalmente distante… E acima de tudo, parece que você está frustrada… Então me pergunto “será que ela estava pronta para tudo isso?”… Então tento dar seu tempo… O que não é nem um pouco fácil pra mim…

Sim, eu sei que não sou sua dona… Eu só… Te amo… E amar alguém, é muito diferente de estar apaixonada por essa pessoa… E você tava apaixonada por mim… Mas já faz quase 3 semanas, e foi uma paixão correspondida, intensa, sorvermos tudo desta paixão com volúpia e completude, então, obviamente ela já se rarefez, e você parece insatisfeita com o que ficou… Mas, eu não… Eu amo te amar… E as coisas como estão… Apesar das dúvidas, da dor, da angustia, dos problemas… Apesar de tudo… Eu amo você e amo tudoem você… Aforma como você rir… E quando você me olha e faz careta, e forma como você segura o cigarro, e quando você não quer responder algo que eu pergunto e tenta desviar, o como você franze a testa quando fica preocupada, a cara que você faz quando não entendeu algo, ou quando finge que não entendeu… Eu amo quando eu estou falando algo e você me interrompe porque começou a cantar uma música nonsense… E quando você esquece que já me contou uma história e conta ela de novo, e eu amo ouvir todas as vezes que você conta… E eu adoro te provocar, só porque eu amo sua cara de brava… E eu te amo mesmo quando você erra, mesmo quando você me nega, mesmo quando você está distante (e às vezes você está distante bem do meu lado)…

E eu amo tanto, tudo em você, que não posso suportar te ver triste só pra te ver do meu lado… Há três noites seguida eu sonho que você esta terminando comigo, sempre com a mesma alegação “você tirou a minha liberdade, você é muito chata, grudenta, intensa demais! Não suporto mais isso! Não vejo mais graça em olhar nos seus olhos ou beijar a sua boca”. E todos os dias eu acordo com o coração partido e lágrimas nos olhos sabendo que há uma grande chance disso ser verdade…

Graziela Natasha Massonetto, eu te amo, e a segunda coisa que eu mais quero no mundo, é poder ver teu rosto, e ouvir tua voz, todos os dias da minha vida, pois só a sua presença me faz feliz… Mas essa é a segunda coisa que mais quero… Por que o que mais quero mesmo, é que você seja feliz… E honestamente, você não tem parecido feliz comigo nos últimos dias… (e sim, estou morrendo de chorar agora escrevendo isso, porque sei bem o que estou colocando em risco) E o que eu estou querendo dizer, é que se você for ser mais feliz longe de mim, eu te desejo tudo que há de melhor, e seguirei sendo sua amiga… E mesmo que você decida ficar ao meu lado, lembre-se sempre você é livre… Anyway, só realize o maior desejo da minha vida, e seja feliz… O resto não importa muito…

Agora, se posso ser pelo menos um pouco egoísta? Quero dizer (já que você nunca teve um namoro longo) que relacionamentos são assim mesmo… As pessoas têm problemas juntas, mas resolvem juntas, e se ajudam, e crescem, e choram, e sorriem, e tem momentos incríveis e de completude, e momentos de saudades e fragmentação… E às vezes elas se sentem inevitavelmente sozinhas, mas então, recebem uma ligação, ou um sms dizendo “eu te amo”, e se sentem menos forever alones no mundo… Não Grazi… Se você escolher ficar, não será um mar de rosas sempre… Estamos remando juntas neste barco, mas as vezes as correntezas nos levarão a um mar de rosas, mas ás vezes a um mar lágrimas, ou pior ainda, às vezes até, a um mar de indiferença…

Você não vai sentir tesão por mim todos os dias da sua vida… E às vezes eu vou querer, e você não, e eu me sentirei frustrada, às vezes será o contrário… Você não vai me achar linda sempre… Mas vai sempre ver uma beleza, mesmo na minha feiúra… Você vai se apaixonar por outras pessoas, e sentir vontade de me trair… Talvez traia… E eu também… Eu te amo, mas não fiquei cega… E mesmo nós duas sabendo disso, ainda sim teremos ciúmes… Porque nos importamos, sabemos que não podemos prender, mas temos medo de perder… Nem sempre vai ser intenso… Mas o lado bom, é que de vez em quando a paixão volta… E quando volta, volta ainda mais gostosa do que era no começo…

Vai chegar um momento em que as palavras serão quase desnecessárias…

E já disse, se você quiser ir embora, no meu coração você é uma convidada e não uma prisioneira, a porta sempre estará aberta, embora eu faça absoluta questão que você fique… Não será nem um pouco indiferente se você decidir partir… Então eu peço! Fiquei! Fiquei um pouco mais… Se não quiser ficar pra sempre, fica mais um dia… Amanhã te peço para você fica outro dia…

Meu amor… Fazer isto dar certo depende de nós… (e nem vem começar a cantar a música do criança esperança!)… É a escolha de saber que haverão problemas, obstáculos, e apesar de tudo não desertar, não fugir da luta… É saber que nem sempre será bom… Mas me diga, quando você estava solteira sempre tudo era bom? Qual a diferença? Agora você não está lutando sozinha… Eu sou sua…”.

Por que em um primeiro instante eu só quero querer ela da mesma maneira e no instante seguinte eu lembro do Raul Seixas cantando “Você me tem todo dia, mas não sabe se é bom ou ruim, mas saiba que eu estou em você, mas você não está em mim”. Por que? Por que “você pensa em mim toda hora, me come, me cospe, me deixa, talvez você não entenda”? Será que ela sabe que “eu sou a luz das estrelas, eu sou a cor do luar, eu sou as coisas da vida, eu sou o medo de amar”?

O amargo da língua