Sair do armário é uma questão social ou individual?

aí o Vitor Angelo foi lá e escreveu aquilo que eu tava querendo dizer há tempos:

é a saída de armário de muitos que faz com que cada vez mais se entenda a homossexualidade com naturalidade. o fato de ter algum amigx ou mesmo parente, isto é, algum gay ou alguma lésbica por perto, fez com que as famílias americanas encarassem o casamento igualitário com menos preconceito e a população dos EUA em sua maioria apoiassem, segundo pesquisas, o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo.

isto mostra que a questão sair do armário traz uma questão social importante, mas em seu núcleo a atitude é meramente individual. o ponto central de assumir sua sexualidade são as tais liberdades individuais. é uma questão dx indivídux, é elx quem deve decidir o momento certo, de abrir aos outros algo que é de seu íntimo, que é ligado ao seu desejo e só ao desejo delx e de mais ninguém.

não existe nada mais desrespeitoso do que forçar alguém a sair do armário. […]

[…] é também com o tempo que assumir ser gay vai cada vez mais estar no seu lugar correto, o das questões individuais.

com projetos de “cura gay” na Câmara, uma PLC122/06 – a lei anti-homofobia – tendo pouca visibilidade e tramitando pelo Legislativo,  assassinatos homofóbicos aumentando em escala desproporcional e a questão do casamento igualitário em debate pelo país e pelo mundo, a Parada, ela mesmo acabou metaforicamente entrando no armário e acanhando-se de discutir temas verdadeiramente relevantes hoje para os LGBTs de forma mais direta.

(o texto completo você lê aqui)

Anúncios
Sair do armário é uma questão social ou individual?

Casamento igualitário em SP, mas um deputado racista e homofóbico na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias?!

lgbtSim, São Paulo acabou de se tornar o 6º estado brasileiro onde o casamento igualitário é regulamentando. Assim, desde 1º de março de 2013, casais do mesmo sexo podem casar-se com os mesmos direitos que os dos heterossexuais em qualquer cartório da cidade (Piauí, Distrito Federal, Alagoas, Espírito Santo e Bahia são os outros estados onde o casamento homossexual também pode ser feito sem o casal ter que recorrer à justiça).

Não deu nem tempo de comemorar: o deputado Marco Feliciano (PSC) é um dos nomes mais cotados para assumir a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias do Congresso Nacional. Se você lê jornal, provavelmente sabe quem é Feliciano. É, aquele mesmo que disse que os negros são amaldiçoados (!!!) e que acha que ser homossexual é um desvio de conduta (!!!). Ou seja, teremos um deputado racista e homofóbico presidindo uma Comissão que luta contra o racismo e a homofobia. Praticamente um Hitler dando assistência aos judeus.

Como isso aconteceu? A manobra é creditada ao fato do PT, que ocupava a presidência da Comissão, ter aberto mão dela “barganhando poder com o PSC”, nas palavras do Marcelo Tas. Jean Wyllys (deputado pelo PSOL) foi mais enfático: “o fato mostra o quanto o PT está comprometido mais em se manter no poder do que com a defesa dos Direitos Humanos de minorias”. Até a ex-vice-presidente da CDHM, Erika Kokay (deputada pelo PT) admitiu o quão inadequada é a indicação do Feliciano: “corremos o risco de mergulharmos no obscurantismo e negarmos a história da comissão”.

O caso está nas redes sociais e nos jornais, há também um abaixo-assinado contra o Feliciano na presidência na CDHM. Agora, o que nos resta é continuar divulgando a inconsistência em ter uma pessoa como ele presidindo essa Comissão e aguardar o resultado.

Só lembrando xs reaças e xs escrotxs em geral: liberdade de expressão e pensamento é diferente de preconceito, racismo, homofobia e discurso de ódio.

Casamento igualitário em SP, mas um deputado racista e homofóbico na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias?!

do it

não sei quanto a você, mas eu não consigo ser plenamente feliz enquanto índios perdem suas terras e são dizimados, jovens negros de periferia são mortos, mulheres e crianças são estupradas, animais são torturados pelas indústrias da moda, entretenimento, científica e alimentícia, milhares de pessoas não tem o que comer, milhares de pessoas não tem onde morar, milhares de pessoas são expulsas de suas casas, fanáticos religiosos promovem guerras, animais são abandonados, furacões, terremotos e tempestades acabam com a vida de diversas pessoas, os acidentes de trânsito continuam fazendo diversas vítimas fatais, a comunidade LGBT é discriminada, a propriedade vale mais do que a vida, o trabalho é alienante, a educação não é para todxs, o sistema de saúde é precário, tenho que abaixar a cabeça para governantes que não me representam, o homem ainda é visto como superior, pensamentos super mega conservadores rodeiam o mundo, a pornografia infantil domina denúncias de crimes na internet… como não se indignar? não dá pra ser totalmente feliz vivendo em um mundo assim. como existem pessoas que se conformam com suas vidinhas fúteis? I DON’T BELONG HERE, acho que essa é a explicação. eu sinto demais as dores do mundo… e essa dor, essa indignação, é o que me move. não vou ficar parada assistindo toda essa desgraça. SÓ RECLAMAR NÃO ADIANTA NADA. então se você também não está satisfeitx, FAÇA ALGUMA COISA. por menor que seja, qualquer ação em prol de um mundo melhor é válida. dar bom dia ao vizinho, ajudar um animal de rua, visitar comunidades da periferia… ações pequenas fazem a diferença. o que não dá é pra não fazer nada. uma pessoa não pode mudar o mundo inteiro, mas ações locais, feitas por muitas pessoas, em nível global, podem. é clichê, mas é a frase mais adequada para esse momento, dita pelo grande Gandhi: SEJA A MUDANÇA QUE VOCÊ DESEJA VER NO MUNDO. eu estou tentando e você?

do it

i like fucking

eu não sei quanto a você, mas eu nunca me apaixonei pelo sexo da pessoa. não vou gostar menos ou mais de você por você ser mulher ou homem. vou gostar da PESSOA que você é. das suas atitudes, do seu jeito de sorrir, da maneira como olha nos meus olhos, de como segura a minha mão… entende o que eu quero dizer? então não me venha com essa de trair o movimento. meu único movimento é o AMOR. e a ele eu nunca vou trair.

i like fucking