marcy, presente!

IMG-20140402-WA0003foi há uma semana, no ato do Cordão da Mentira, 64+50: QUANDO VAI ACABAR A DITADURA CIVIL-MILITAR?. procurei pelas palavras certas para contar sobre esse encontro. não sei se as encontrei, mas vou tentar. eu levantei o cartaz com a foto da Heleny e uma senhorinha veio em minha direção. “você é parente da Heleny?”. respondi que não, mas que entre as fotos dxs desaparecidxs durante a ditadura, escolhi a dela. “a senhora conheceu a heleny?”. “nós trabalhamos juntas’, respondeu a senhora, baixinho, como se ninguém pudesse ouvir o que acabara de me dizer, como se fosse um segredo muito bem guardado. naquele momento pensei que o “trabalhar” fosse ter trabalhado em uma escola, em uma fábrica, ou afins. continuei conversando com aquela senhora de fala mansa e sotaque carregado. Marcy é cubana, está no Brasil há 3 meses, tentando conseguir os documentos para que sua filha e seus netos tenham, assim como ela, a cidadania brasileira. “elxs querem vir para cá conhecer a história do país em que eu passei minha juventude. eu conto sobre o que vivi aqui e elxs ficam na vontade de vir para o Brasil”. quando perguntei se poderia tirar uma foto com ela, a resposta veio timidamente com um “pode”. ela me abraçou. um abraço de saudade da heleny e de outrxs companheirxs de luta. um abraço de dor e conforto ao mesmo tempo. dor por tudo o que ela e xs companheirxs viveram sob a ditadura. conforto por ter ali, alguém que após os 50 anos do golpe (re)lembra a história que ela viveu quando jovem. ela me agradeceu – “é lindo ver vocês, jovens, nas ruas, como nós também estivemos – , mas quem deveria agradecer sou eu. obrigada, Marcy, por ter ido às ruas, por ter dito não à ditadura militar, por ter lutado pela liberdade. descobri que o “trabalhar” era o trabalho clandestino. Marcy foi companheira de luta de Heleny. nos olhos de Marcy eu vi toda a coragem, toda a força, toda a luta de quem não se calou, de quem não abaixou a cabeça. e assim, um encontro inesperado se tornou um encontro do qual eu nunca vou esquecer. Marcy, por você, pela Heleny e por todxs que foram – e ainda são – torturadxs e mortxs, eu resisto. obrigada, Marcy. pela liberdade, sempre.

Anúncios
marcy, presente!

cordão da mentira: quando vai acabar a ditadura?

10002979_10151968253826695_2139353160_nontem mais de mil pessoas saíram as ruas de São Paulo para repudiar o golpe de 1964 e as atuais práticas da justiça, dos militares e dos governistas. ocupamos o centro da cidade. com música e indignação. com teatro e indignação. com arte e indignação. a marcha dos fascistas reuniu menos de 100 pessoas e foi destaque em diversos jornais e sites. não vi, até agora, uma só matéria nesses veículos falando do nosso ato. mas não tem nada não, afinal, essa mídia que se manteve em silêncio mesmo com a grandiosidade do nosso protesto, sempre esteve ao lado dos militares. o que tenho a relatar é que foi lindo, lindo, lindo. encontrar pessoas mais velhas, que viveram aquele tempo e ouvir delxs o quanto é emocionante pra elxs verem que nós estamos nas ruas relembrando a luta delxs foi de uma intensidade absurda. duas gerações ali, juntas, caminhando, se entendendo, se ouvindo – e ainda lutando. faltam palavras para descrever o que senti ali. houve inclusive, um encontro do qual nunca esquecerei. mas isso é assunto para outro post. esse aqui é apenas pra dizer CHUPA, REAÇADA!

cordão da mentira: quando vai acabar a ditadura?

#50anosdogolpe

CAM00441lembro como se fosse ontem a primeira vez que entendi o que foi a ditadura. lembro de como eu ficava vidrada nas aulas de história sobre esse período. esse livro aqui foi o primeiro livro que li sobre a ditadura brasileira. foi presente do meu pai, que no auge de sua juventude vestia camisetas do che guevara. ao ler pela primeira vez as atrocidades que foram cometidas, eu fiz um pacto comigo mesma de que nunca esqueceria do que aconteceu e de que lutaria até o fim para nunca mais acontecesse. eu tinha uns 14 anos. hoje, aos 23, reli algumas partes e não contive o choro. aliás, meus olhos se enchem de lágrimas toda vez que leio, escuto ou vejo algo relacionado à ditadura. mas não é um choro de tristeza. é um choro de luta. é um grito de luta. por todxs aquelxs que lutaram e perderam suas vidas, por todxs aquelxs que lutaram e continuaram vivxs. você arriscaria a sua vida? elxs arriscaram. eu arrisco pelos vlados, pelos amarildos, pelas teresas, pelas claudias. porque a ditadura oficial acabou, mas a ditadura velada está mais viva do que nunca. é por isso que eu luto. é por isso que eu não aceito. é por isso que eu não esqueço. porque a liberdade é um direito. porque elxs não se calaram e eu também não vou me calar. como diz uma música do dead fish, “e se um dia tivéssemos que resistir, e se tudo que fizéssemos fosse em vão? e se não fossemos tão jovens ainda estaríamos aqui? e se não pudéssemos mais cantar, nem reclamar, nem protestar? fingiríamos esquecer nosso ideal ou lutaríamos agora pra valer?”. elxs resistiram, elxs lutaram. por elxs e por todxs que ainda estão aqui: ‪#‎64nuncamais‬

(re)lembrar para resistir.

a luta continua, SIEMPRE.

TODXS PRESENTES!

ps.: obrigada, Rodrigo Paula Mendes!

#50anosdogolpe

#50anosdogolpe

amanhã tem Cordão da Mentira.

porque enquanto os arquivos da ditadura não forem abertos, enquanto a anistia servir para torturadores e assassinos, enquanto manifestações políticas forem reprimidas com bombas e balas de borracha, enquanto o estado não responder pelas Claudias e Amarildos assassinados todos os dias nas periferias, enquanto nossas mães ainda procurarem por filhxs desaparecidxs, entenderemos que a ditadura não terminou por completo.

Evento: https://www.facebook.com/events/620287641397396/

#50anosdogolpe

Milhares estão sendo torturados pelo regime monstruoso da Síria

Vocês tão sabendo das monstruosidades que o governo da Síria está cometendo, né? Milhares são presos e outros tantos são mortos, DIARIAMENTE, por protestarem contra a ditadura do asqueroso Assad. Até a própria Liga Árabe está impondo sanções ao truculoso governo. A Avaaz, órgão mundial a favor da democracia, possui membros que estão lutando contra o regime ditatorial do Assad e, recentemente, um deles foi torturado quase até a morte. Até quando o governo de Assad vai continuar prendendo, torturando e matando inocentes? Que tal, ao invés de apenas dizer “oh, coitadinhos”, você fizer alguma coisa? A Avaaz é um órgão mundialmente reconhecido, que já ajudou milhares de pessoas com as suas petições e pode ajudar a Síria. Então, vai lá e assine, ou cruze os braços e continue sem fazer nada. Clique aqui e faça a sua parte, dude.

Abaixo, você pode ler a carta da Avaaz a todos os cidadãos desse mundão:

 

É difícil relatar isso, mas até mesmo membros da Avaaz estão sendo torturados pelo regime monstruoso da Síria. Manhal* nos contou que foi detido em uma prisão secreta, onde removeram suas unhas dos pés e das mãos e eletrocutaram partes de seu corpo. “Eu vi a morte e fui torturado até quase morrer,” ele nos contou. Mas se agirmos agora, podemos fazer do sacrifício de Manhal a última gota para o mundo se virar contra o regime de Assad.

 

Os observadores da Liga Árabe falharam em impedir a repressão brutal, mas a pressão sobre Assad está aumentando. A Avaaz recentemente publicou um relatório terrível revelando a escala das unidades de detenção da Síria, incluindo o que fizeram com Manhal. Se criarmos uma pressão global massiva agora, podemos forçar governos-chave a confrontarem os horrores citados nesse relatório e acelerarem o fim de Assad.

 

Assine a petição agora e quando chegarmos a 500.000 assinaturas, entregaremos-na junto com o relatório da Avaaz para a Liga Árabe e para o Conselho de Segurança das Nações Unidas, exigindo que eles levem Assad até à Corte Penal Internacional para ser julgado por crimes contra a humanidade:

 

http://www.avaaz.org/po/arrest_syrias_torturers/?vl

 

A ONU já afirmou que houve crimes contra a humanidade na Síria. Agora o regime está lidando com mais uma onda crítica — um pungente relatório compilado por corajosos ativistas sírios da Avaaz que delimita a relação final sobre esses crimes contra a humanidade terem sido cometidos por altos membros do regime de Assad. Nenhum outro relatório tem informações de alto nível que relaciona a tortura do regime nessa medida — essa pode ser nossa melhor chance de fazer o mundo agir.

 

Todos nós tínhamos esperança de que a missão de monitoramento da Liga Árabe fosse impedir a violência, mas a missão foi comprometida e desacreditada. Apesar de testemunharem por conta própria os atiradores de Assad, os monitores apenas estenderam seu período de observação sem um pedido de ação urgente. Isso permite que países como Rússia, China e Índia impeçam as Nações Unidas de se mobilizarem. enquanto isso, a defesa patética usada pelo regime para seus atos desprezíveis tem sido a de que o regime tem lutado contra uma insurgência terrorista, não um movimento pacífico por democracia. Mas relatórios como o da Avaaz expõem a mentira desse regime corrupto e cruel.

Agora precisamos que o mundo seja testemunha dos horrores do regime.

O tempo pode se esgotar para Assad se criarmos uma onda ensurdecedora de pressão pública para promover a mudança. Vamos unir o mundo para exigir que o Conselho de Segurança da ONU leve o regime brutal sírio à Corte Penal Internacional e julguem-no por crimes contra humanidade. Assine agora e divulgue para todos:

 

http://www.avaaz.org/po/arrest_syrias_torturers/?vl

 

Por todo o mundo árabe, o poder popular tem derrubado ditadores e nossa incrível comunidade da Avaaz esteve no coração dessas batalhas pela democracia, furando o bloqueio da mídia imposto pelos líderes corruptos, empoderando jornalistas cidadãos, provendo ajuda emergencial vital para comunidades sob cerco, e ajudando a proteger centenas de ativistas e suas famílias dos bandidos do regime. Não vamos permitir que o sofrimento pela liberdade do Manhal seja em vão. Vamos exigir que a ONU se mobilize imediatamente.

 

Com esperança e determinação,
Luis, Ian, Maria Paz, Ricken, Emma, Wissam, Heather e toda a equipe da Avaaz

 

* – “Manhal” é um pseudônimo para proteger a identidade do ativista.

 

MAIS INFORMAÇÕES:

 

Relatório da Avaaz sobre as Unidades de Detenção na Síria (em inglês) http://disappeared.avaaz.org/detentioncentresreport.htm

 

Violência na Síria já matou 6.200, dizem ativistas (Reuteurs) http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE7BL0BI20111222

 

Assembleia Geral da ONU condena direitos humanos na Síria (Folha de São Paulo) http://www1.folha.uol.com.br/mundo/1023468-assembleia-geral-da-onu-condena-direitos-humanos-na-siria.shtml

 

Líga Árabe avalia direitos humanos na Síria e pode pedir ajuda à ONU (BBC Brasil) http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/01/120108_siria_ligaarabe_pu.shtml

Síria: Regime de Bachar al Assad não desarma (Euronews) http://pt.euronews.net/2012/01/03/siria-regime-de-bachar-al-assad-nao-desarma/

 

Nova ofensiva do regime sírio deixa ao menos 10 mortos (Terra Brasil) http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5548507-EI17594,00-Nova+ofensiva+do+regime+sirio+deixa+ao+menos+mortos.html

Milhares estão sendo torturados pelo regime monstruoso da Síria