♥ ambulante

buttenho um coração que quase me engole e uma rebeldia que às vezes me cega. quero sempre o voo mais alto. não gosto de café morno, de conversa mole, de gente sem sal. sou mais feliz que triste, mas às vezes fico distante. me perco em mim como se não houvesse começo nem fim nessa coisa de pensar e achar explicação pra vida. então me agarro no meu sentir porque sou inteira feita de sentimentos. um coração ambulante disfarçadx de gente.

♥ ambulante

My heart is yours

Vamos direto ao ponto: várias pessoas já tiveram o meu corpo. Mas pouquíssimas tiveram o meu amor. Não saio por aí depositando meu coração na mão das pessoas. Então se eu estou lhe dando o meu, quero o seu em troca. É uma troca justa, não é? E já que ele é seu, faz um favor? Não engana ele. Não mente para ele. Cuida bem dele. De vez em quando ele vai ser chato, mimado, carente, fútil, mas é seu. Ele tem defeitos, mas é seu. Ele tem cicatrizes, mas é seu. Ele é todo seu. Então me diz que o seu é meu também. Eu cuido direitinho dele. Não deixo ele cair no chão. Cuida do meu que eu cuido do seu. Combinado?

My heart is yours

I heart it

Escrevo, apago, escrevo, apago, escrevo, apago. Não vou apagar porra nenhuma dessa vez. Quero mais Leminski, Buk e Dostoievski. Quero mais você. Inteiro. Completo. Só pra mim. Estou no melhor estilo Clara Averbuck: você realmente roubou todas as minhas palavras, tento escrever sobre você e só consigo escrever para você. Passei o dia inteiro relendo os textos dela. I found myself in them. Lembrei que só cai quem voa. Eu já voei. Eu já caí. Eu quero voar de novo. Mas não quero me arrebentar no chão depois. Eu gosto de abismos, mas não quero dar passos em falso. Ouço “meu coração eu pus no bolso, mas apareceu um moço que tirou ele dali” e imagino meu coração aí na sua mão. That’s it. Ele é seu. Mas toma cuidado com ele, tá? It’s yours. I’m yours.

I heart it