23

“Eu me lembro que um dia acordei de manhã e havia uma sensação de possibilidade. Sabe esse sentimento? E eu me lembro de ter pensado: Este é o início da felicidade. É aqui que ela começa. E, é claro, haverá muito mais. Nunca me ocorreu que não era o começo. Era a felicidade. Era o momento. Aquele exato momento.” – Virginia Woolf

sun

hoje de manhã o sol veio sussurar em minha pele. ele me pegou. logo cedinho, ali estava eu, entorpecida pelo sol. o caminho não parecia nem um pouco sombrio. havia uns cantos escuros no trajeto, mas não eram nem um pouco assustadores. não tinha nada de muito diferente nessa rotina de acordar cedo e pegar esse caminho, exceto essa sensação de possibilidade. sim, o sussuro do sol foi isso: possibilidade. de repente, here comes the sun. as coisas tornam-se mais vívidas. quase um filme do Almodóvar. não sei, só sei que foi assim: coloriu. até as formiguinhas sorriram pra mim nesse momento, sabe? não foi nada e ao mesmo tempo foi grandioso. aquelas pequenas epifanias que às vezes acontecem na vida da gente. um “eu faço parte dessa porra de universo, caralho!”. “o sol tá aqui pra me aquecer, o vento tá cantando em meus ouvidos, as folhas tão balançando nas árvores, o cachorro tá latindo lá na esquina – e eu me sinto conectada com toda essa porra, caralho!”. por alguns instantes, tudo parecia fazer sentido. a little bit insane, i know. mas ela estava ali: possibilidade. ela tá aqui, de pernas arreganhadas.

não sei, mas talvez tenha algo a ver com o dia de ontem: meu aniversário. ano novo astrológico, como dizem. será? sendo ou não sendo, o fato é que sim, sinto como se eu acabasse de começar um novo calendário. novinho em folha, cheio dessas possibilidades que o sol me sussurou. o mundo oscilava e estremecia e eu fazia parte disso. não havia ninguém além de mim e do universo inteiro. é tão estranho o poder do sentir em certos momentos. eu sentia! como se eu tivesse trazido à superfície algo que, ao se manifestar, fosse intangível mas ao mesmo tempo possível. um sentimento extremamente excitante. toda uma febre de viver que no fundo, é a própria simplicidade da vida. assim eu me aproximava da vida, o sol cada vez mais forte, os sussurros cada vez mais altos, algo extraordinário prestes a acontecer. a própria vida, cada um de seus momentos, aquele e este instante, agora, sob o sol. eis aí a verdade: há vida e beleza por toda parte (até mesmo no pior lugar do mundo a vida e a beleza ainda estão lá).

de repente o sol me trouxe a certeza de que tudo daria certo. aquela experiência solitária de comunhão que as pessoas enfrentam sozinhas, assim meio do nada. eu tinha a impressão de estar por toda a parte, não apenas aqui ou ali, mas por toda parte. a vida fluindo: absorvente, misteriosa, com uma abundância infinita. o que afinal, agora, significava isso pra mim, essa coisa chamada de vida? o que era essa excitação que tomava, tomou, toma conta de mim?

fazer dar certo.

ps.: e hoje faz 8 meses que eu namoro a mulher da minha vida ♥

23

2 anos de blog

cakeO WordPress veio me parabenizar pelos 2 anos de existência do meu blog. Quando comecei a escrever aqui, não sabia que ia durar tanto. “Tanto” porque não costumo passar dois anos consecutivos com o mesmo blog. Viva mudando de domínio. Mas tenho um carinho todo especial por esse aqui. É o meu blog mais maduro e com mais diversidade de assuntos. Quando leio meus antigos blogs, sinto muito mais firmeza para continuar aqui, vejo tanto como minha escrita tem progredido (não me considerando uma puta escritora, claro, coisa que não sou), como quanto eu, como pessoa, tenho amadurecido. É engraçado ler os posts e ver como era a minha vida há 4 anos atrás e como ela é hoje. As pessoas que se foram, as pessoas que continuam, a pessoa que eu era, a pessoa que eu sou. O que me leva a esboçar uma nova resolução (ideia que já tenho em mente há um bom tempo, mas nunca botei em prática): selecionar alguns textos e organizar uma pequena antologia. Dar uma editada e finalmente criar coragem de mandar para uma editora. E aí começar um romance. Mas o romance é um projeto grande e distante ainda. Por enquanto, o lance é trabalhar com as crônicas e os contos que já tenho e continuar escrevendo novos. Parabéns pro Vertigem Existencial

2 anos de blog

dois anos de capricornianos

dois anos de choros, berros, risadas, sorrisos e gargalhadas. do colo, até engatinhar, dar os primeiros passos cambaleantes e agora correr pela casa inteira. dos primeiros balbucios até a primeira palavra e as primeiras frases. do leite, às frutas e papinhas e “comida de verdade”. parece que foi ontem. mas fazem dois anos e quantas coisas aprendemos nesses dois anos! o amor incondicional por dois serezinhos humanos. dois bebês que em pouco tempo já estarão maiores do que eu. a quem eu quero ensinar os melhores valores. ler os melhores livros, mostrar as melhores músicas, os melhores filmes, as melhores peças de teatro. a quem eu vou ter por perto pra sempre, levando pra passear, contando histórias, fazendo aquela comidinha vegetariana que eles vão amar, torcendo no Morumbi aos domingos nos jogos do São Paulo… e lembrar, sempre, que cada criança tem dons e talentos únicos, e estes correspondem àquilo que elas adoram, para serem felizes, para viverem uma vida que vale a pena viver, precisamos encontrar maneiras de dar-lhes a oportunidade de fazer aquilo que amam. então, se eu puder dar essa oportunidade a vocês, tudo já valeu a pena. amo vocês, meus pequenos!

dois anos de capricornianos

luz pra ti

nos conhecemos quase ao acaso. um amigo em comum fez uma marcação em comum no facebook. assuntos ligados à protestos, revoluções, política, feminismo, vegetarianismo. pronto, estava feita a conexão. de repente, estávamos ali, chorando o choro uma da outra, sorrindo o sorriso uma da outra.

até nossos aniversários são próximos. mas enquanto eu fiquei com leão, ela ficou com virgem. desejo que todos os sentimentos bons do universo inundem a sua vida. que você sinta todo o amor do mundo dentro de você e transmita isso pra aqueles ao seu redor.

“para as coisas importantes, nunca é tarde demais ou muito cedo, para sermos quem queremos. não há um limite de tempo, comece quando quiser. você pode mudar ou não. não há regras. podemos fazer o melhor ou o pior. espero que você faça o melhor. espero que veja as coisas que lhe surpreendam. espero que sinta coisas que nunca sentiu antes. espero que conheça pessoas com diferentes opiniões. espero que viva uma vida da qual se orgulhe. mas se você achar que não tem, espero que tenha força para começar novamente”. that’s it.

é o que o Benjamin Button diz pra filha dele no “o curioso caso de Benjamin Button”. é o que eu escrevo pra ti nesse dia tão especial, o primeiro de muitos que ainda estão por vir nos quais te desejarei todas as coisas boas do mundo. e nunca, jamais, never, pense que você não merece. você merece isso e muito mais. mas o muito mais eu não posso dar. então te dou essas palavras, esses sinceros sentimentos, minha amizade. parabéns, sweet heart.

te amo ♥

luz pra ti

Desaniversário

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

20 de agosto de 2012. Feliz ano novo pra mim. Como dizem por aí, são 22 primaveras. “Uma criança”, como disse um mendigo pra mim ontem – era aniversário dele também. É, ainda vejo o mundo com os olhos de uma criança. Mas tantas coisas mudaram. Me vejo muito mais forte, mais feliz quem sabe. Continuo com a cabeça nas nuvens, mas agora mantenho meus pés no chão. É impressionante quanto alguns meses fazem diferença na vida da gente. Há um ano eu estava totalmente perdida, em praticamente todos os sentidos. Amadureci, mas ainda me sinto meio verde.

Chega até a ser engraçado como aqueles que estão ao meu lado também veem essa diferença, me elogiando, enchendo a minha bola. Mudei pra caralho. E continuo mudando. Aquele eterna metamorfose ambulante e inconstante de sempre, só que mais consciente. Tô na estrada, tô tentando conquistar o meu espaço, sigo amando e cantando e sonhando…

Não tem segredo, eu sigo em frente, sendo exagerada, sendo dramática, errando e aprendendo e ensinando e adquirindo conhecimento. Evoluindo, mas longe da perfeição. É, ainda não sei, por vezes, demonstrar o que tô sentindo, por medo, insegurança ou mesmo orgulho. Muitas vezes não sei lidar com as pessoas e acabo estragando tudo, me fecho, distancio, saio pelas portas do fundo. É algo que preciso melhorar/aprender a lidar.

Tenho pessoas incríveis em minha vida. Elas me mantém inteira. Formam minha estrutura, dão sentido àquilo que não consigo dar sentido sozinha. Algumas estão indo, outras estão vindo, mas uma coisa é certa: todas elas deixam algo em mim. Espero deixar algo meu com elas também.

Ao infinito e além, eu persisto. Às vezes aos trancos e barrancos. Às vezes num caminho cheio de lírios perfumados. O importante é que emoções eu tô vivendo. Mais importante ainda seria tu aqui, vivendo junto comigo. Mas tudo tem seu tempo. Tô plantando, não sei se você estará aqui para colher, mas minhas sementes possuem todo o amor que há nessa vida.

Desaniversário

Com paixão

Exatamente 20 dias. 22 anos. Minha revolução solar tá logo aí. Meu ano será regido por Peixes. Atos compassivos. “Sacrifício da vontade individual em prol de uma causa maior ou mesmo uma dedicação mais intensa no sentido de ajudar os outros”. Dentro de uma perspectiva mais elevada, Peixes como signo anual sugere um período em que o lado artístico se pronuncia. “A arte pode ser uma terapia excepcional para estes próximos doze meses”. Num nível mais elevado ainda, Peixes sugere o empenho ativo na direção de questões e causas de ordem espiritual. “Um maior interesse pelo lado invisível da vida e uma vontade genuína de crescer neste sentido pode lhe conduzir a caminhos fascinantes, e você termina percebendo que faz parte de um Todo Maior e se responsabiliza no sentido de ajudar as pessoas”. O signo de Peixes é, acima de tudo, repleto de compaixão. Ou seja, se antes eu já sentia essa compaixão por tudo e por todos, agora fudeu – no bom sentido da coisa. Serei a Madre Teresa do ano.

Com paixão